CADERNOS DA

SOCIEDADE DE

ESTUDOS E PESQUISA

QUALITATIVOS

SUMÁRIO
Introdução
9

A limitação da linguagem e o discurso humano
(Luiz augusto Normanha Lima)

11

Uma aproximação a compreensão do ensino de
Ciências, através de uma análise fenomenológica

(Washington Luiz Pacheco de Carvalho)

29

Pesquisa qualitativa em avaliação de currículo:
dificuldades e tentativas de superação

(Isabel Franchi Cappelletti Wanda Rosa Borges)

47

A Hermenêutica e o trabalho do professor de
Matemática

(Maria Aparecida Viggiani Bicudo)

63

Uma perspectiva fenomenológica para o professor
em sua expressão do: “o que é isto, a ciência”?

(Vitória Helena Cunha Espósito)

97
Aprender: como “Aquisição de Aptidão”
Segundo Merleau-Ponty

(Marcos César Danhoni Neves)
113


Introdução

Este é o caderno nº 3 da Sociedade de Estudos e Pesquisa Qualitativos, que traz a público os estudos apresentados e debatidos pela Sociedade no ano de 1991, durante suas reuniões mensais.

Os artigos são apresentados segundo a seqüência cronológica em que foram debatidos.

O primeiro é o artigo do professor Luiz Augusto Normanha Lima sobre “A limitação da linguagem e o discurso humano”. Trata-se de um estudo sobre a linguagem segundo a interpretação que o autor faz do que Merleau-Ponty diz a respeito em seus textos; o autor considera, a relevância e o fascínio que a obra de Merleau-Ponty apresenta e exerce sobre o entendimento da linguagem. O interesse central do estudo, porém, é o corpo enquanto expressão e fala. Para enfocar esse tema, o autor se concentra na “Fenomenologia da Percepção” e busca mostrar que não há uma linguagem do corpo, mas sim um discurso do corpo.

O segundo artigo deste Caderno é “Uma aproximação a compreensão do ensino de Ciências, através de uma análise fenomenológica”, do professor doutor Washington Luiz Pacheco de Carvalho. É produto de uma pesquisa elaborada, redigida, apresentada e defendida como tese de doutoramento. Sua preocupação foi abordar o fenômeno “ensino de Ciências, tentando compreendê-lo, além das categorias abertas”, ou “convergências”, levantadas na pesquisa, apresentando seu discurso sobre o assunto.

O terceiro artigo é “Pesquisa qualitativa em avaliação de currículo: dificuldades e tentativas de superação”, pesquisa elaborada pela professora doutora Isabel Franchi Cappelletti e pela professora doutora Wanda Rosa Borges. É o relato de um trabalho de acompanhamento e assessoramento efetuado em uma faculdade de Medicina junto a Comissão de Coordenação, cujo coordenador solicitou assessoria das autoras deste artigo. Esse trabalho relata a trajetória percorrida e expõe o pensar das autoras sobre as perguntas que levantaram durante o tempo vivido com a Comissão de Coordenação, como assessoras pedagógicas e como pesquisadoras.

O quarto artigo é “A hermenêutica e o trabalho do professor de Matemática”, de autoria da professora doutora Maria Aparecida Viggiani Bicudo. Aborda a “hermenêutica” enquanto um campo de estudos que se dirigem para o fenômeno “linguagem”, vendo-o também como manifestações em expressões culturais e possíveis interpretações. Explora aspectos pertinentes ao trabalho do professor em sala de aula que o colocam em posição de hermeneuta.

O quinto artigo é “Uma perspectiva fenomenológica para o professor em sua expressão do: ‘o que é isto, a ciência?’”, de autoria do professor doutor Marcos César Danhoni Neves. Afirma que “chegamos a um ponto do conhecimento em que já não é mais possível excluir o homem como a fonte desse conhecimento; em que a perspectiva da ciência confunde-se com a perspectiva do ver e do ser em ciência; em que subjetividade e objetividade coexistem num todo conformacional; em que o homem jogado no mundo das contingências situa-se numa existência potencial do fazer e do compreender a ciência”. O ponto central de seu estudo é o “o ser-aí-para-a-ciência”, realizado a partir de discursos de sujeitos que, ao falarem do tema ciência, do fazer ciência, do apresentar ciência e do questionar a ciência permitiram ao autor, ao refletir sistematicamente sobre o tema, construir uma compreensão ampla de quem “é esse homem que imerge na ciência como compreensão ampla do mundo que aí está”.

Os artigos tematizam assuntos de interesse da Sociedade. Na medida em que esses temas são tratados, elucidados, debatidos e retomados, os participantes da Sociedade colocam-se outras perguntas, abrem-se a provocações, caminham na direção de compreensões mais abrangentes, situam-se e assumem-se como pessoas que enfrentam desafios e que agem, decidindo por trajetórias, ao serem-com-os-outros no mundo-vida.


Rio Claro, julho de 1992.
Maria Aparecida Viggiani Bicudo